22 de dezembro de 2017

Jesus, o maior Evangelista de Todos os Tempos.


Por Everton Edvaldo. 

Introdução: Nunca foi tão fácil ser escutado pelas pessoas como na atualidade. Atualmente, ter um público, ser ouvido, notado e ter a oportunidade de compartilhar suas ideias é algo que está bem mais acessível às pessoas simples. Grande parte desta conquista se deve  à internet. A internet deu voz aos pobres e notoriedade a pessoas que não tem uma boa formação acadêmica,  coisa que antes do advento das redes sociais, era bem mais difícil de se obter. Todavia, nem sempre foi assim. Poucos homens do passado, influenciaram tanto o mundo como se tem a oportunidade hoje, mas teve um, que dividiu a história e ainda consegue marcar gerações. Seu nome é Jesus e neste artigo, eu gostaria de falar um pouco sobre o ministério deste homem tão incrível! À princípio, vamos analisar o ministério de Cristo, e o seu contato com o público, de uma perspectiva social. Depois, veremos os principais aparatos que favorecia e dava suporte à trajetória de Cristo, isto é, as pessoas e as estratégias. Faremos isso com pintadas teológicas, práticas e devocionais, sempre que possível, trazendo para nosso contexto moderno e mostrando de que forma isso afeta nossa vida. Porém, antes de começar, permita-me deixar claro que limitaremos a análise da proposta desse estudo apenas ao Evangelho de Lucas. Logo, o artigo que leitor tem em vista, não é exaustivo, mas exclusivo a partir do contexto abordado pelo evangelista Lucas. Isto, porque a ideia de escrever este artigo surgiu durante minha leitura deste evangelho. Esboçado isto, vamos ao nosso texto! Boa leitura!

I- O  EVANGELHO DE LUCAS E O MINISTÉRIO DE JESUS: 

Dos quatro evangelhos, Lucas é sem dúvida, aquele que se destaca por sua linguística refinada, riqueza de detalhes e ensinos. Há quem diga que é o mais completo, não menosprezando ou diminuindo o trabalho e a importância dos outros, mas reconhecendo suas devidas características, estilos e peculiaridades.

Pois bem, Lucas era gentio. Por sinal, o único gentio que escreveu dois livros do Novo Testamento. Não viu a Cristo, mas falou dele tão bem quanto aqueles que o viram. Lucas era médico, cooperador e porque não dizer, teólogo também! Um homem extremamente preparado tanto intelectual quanto espiritualmente para fazer o que fez. E o resultado está nas nossas Bíblias, o evangelho que leva seu nome e Atos dos Apóstolos.

Graças à sua obra, podemos contemplar mais de perto, o ministério majestosamente exercido por Cristo. 

Lendo Lucas, eu conclui que Jesus foi o Maior Evangelista de todos os tempos, talvez nem tanto pela quantidade de pessoas que lhe ouviram enquanto ele andava por esta terra (embora "os números" não sejam menos significativos), mas pela forma como ele impactava quem lhe ouvia. Jesus tirou o sono de muita gente! A outros, ele devolveu o sono e o sossego que há muito tempo precisavam! 

Todas as dificuldades sociais que você imaginar, Jesus também esteve sujeito, como por exemplo:

Se tivermos que classificar uma classe econômica para enquadrar Jesus, podemos afirmar com segurança que sua família era pobre (Lc 2.24; Lv 12.8).

Sua família era de Nazaré, Galiléia (Lc 1.26,27) e Jesus foi criado neste lugar (Lc 2.39,40; 3.16). Uma região bastante ignorada e desprezada pelas pessoas (Jo 1.45,46).

Jesus foi expulso da sua própria terra (Lc 4. 24, 29,30).

Aos olhos humanos, era improvável que Jesus tivesse êxito em sua trajetória de vida, mas o improvável aconteceu! Como isto aconteceu?  O que Ele fez? Porque Ele conseguia atrair tantas multidões? É o que verificaremos no desenrolar deste estudo.

II- CARACTERÍSTICAS DE JESUS COMO PREGADOR:

Oficialmente falando, o ministério itinerante de Jesus começa aos 30 anos (3.23), na Galiléia (Lc 4.14).  Vejamos agora, algumas características do seu ministério.

1. Jesus enfrentava os obstáculos. Foi nesta região, que primeiro propagou seus ensinos. Também é na Galiléia que Jesus enfrenta seus primeiros desafios, isto porque ele foi expulso da cidade de Nazaré onde fora criado (Lc 4.29,30). Pois bem, se em Nazaré Jesus não teve êxito, em Cafarnaum, o quadro é outro. É em Cafarnaum que Jesus vai dar passos significativos e tomar atitudes que mudarão drasticamente o rumo das coisas.

Antes do êxito, veio a rejeição. Aliás, a rejeição seria uma característica que percorreria todo ministério de Jesus (Lc 8.35-37; 9.51-53), porém, Jesus reagia à rejeição com perseverança. Imagina se Jesus tivesse desistido de pregar o evangelho ainda em Nazaré quando foi expulso da cidade? 

Pois bem, perseverar é uma atitude crucial para quem deseja crescer em qualquer área da vida. Tanto profissionalmente, quanto espiritualmente falando. A rejeição veio, mas Jesus não se deixou levar por ela. Alguém pode fechar uma porta para você aqui, mas ali, haverá outra porta aberta para você.

Tenha consciência disso: sempre haverá pessoas que te ouvirão, e outras que não querem imaginar nem cruzar com você no caminho. Jesus passou por isso. Não estamos isentos de tal realidade.

Em Cafarnaum, a fama de Jesus corria por todos os lugares da circunvizinhança (Lc 4.37), pelo modo como ele transmitia sua mensagem. Lá, a mensagem de Cristo encontrou ampla guarida!

Eu poderia apontar várias conquistas de Jesus em Cafarnaum, mas isso tomaria um bom espaço neste artigo de modo que ficaria muito longo. Por isso, não farei isto aqui, mas de modo geral, em Cafarnaum Jesus encontra abrigo (Lc 4.38). Lá, também estão Simão (Pedro) (Lc 5.5), Tiago, João (Lc 5.10,11) e Levi (Mateus) (Lc 5.27,28), homens que se tornariam apóstolos de Cristo,  sem falar no público de Jesus que cresceu significativamente (Lc 4.40-42). Jesus esteve várias vezes em Cafarnaum, mas não se limitou a esta região.

O carpinteiro de Nazaré passou a usar algumas estratégias para lidar com o público, de modo que também podemos dizer que Jesus foi o maior comunicador da história. Há dois mil anos, Jesus usava com maestria os conceitos básicos de Marketing e publicidade. O modo como Jesus lidava se portava perante as pessoas era algo que fazia toda a diferença. Jesus era diferente! 

2. Além de não se deixar abater pela rejeição, Jesus não fazia acepção de pessoas. Ele ganhou muitas pessoas com este gesto. Classes sociais criadas pelo homem, não se tornaram uma barreira para o ministério de Cristo. Sua mensagem era útil e verdadeira para qualquer ser humano que estivesse à sua frente.

Em Lucas, vemos Jesus entrando em contato com o assistente da sinagoga (4.20), endemoniado (4.33), mulheres (4.38), multidões (4.42), excluídos da sociedade (5.12,13), fariseus e intérpretes da lei (5.17), enfermos (5.17; 6.6), viúvas (7.12), publicanos e pecadores (15.1), sacerdotes (19.47), saduceus (20.27), crianças (18.15-17) e governantes (23.1-3).

Jesus dizia: "Arrependei-vos" tanto para rico quanto para pobres. Era uma mensagem sem discriminação. 

Muitas pessoas fracassam neste ponto do seu percurso porque não sabem lidar com o público. Jesus sabia! Outras até dizem a verdade, porém fazem isto  de qualquer forma. Geralmente, dizer a verdade de forma errada pode até ganhar os ouvidos, mas jamais o coração. É preciso ser estratégico. 

Além disso, Jesus conhecia seu público. Ele sabia quando estava falando com um sacerdote altamente instruído e quando estava falando com simples galileus de pouca instrução. 

Atualmente, muitas pessoas falham neste ponto. Desconhecem e por desconhecer não sabem lidar com seu público, seja numa congregação, na rede social ou em algum outro ambiente. Precisamos conhecer as pessoas e suas necessidades. O que elas precisam ouvir? E de que forma podemos alcançá-las? Jesus sabia como! 

Jesus entrava na casa de publicanos e de pecadores para comer (Lc 5.29, 15.1,2). Não deixava passar as oportunidades que lhe surgiam. Ele sabia que fazendo isto, seria questionado pelos religiosos hipócritas do seu tempo e então passaria a expor sua mensagem naquele lugar (Lc 5.30-32).

Lucas 7.36 e 11.37 são claros exemplos de que Jesus também era uma pessoa acessível e que ia até às pessoas. Quando chamado para participar de alguma refeição, Jesus não recusava o convite. Aqui aprendemos três coisas:

Primeiro, Jesus ensina que um bom líder sempre está acessível a quem precisa.

Segundo,  Jesus ensina que não é insignificante ir às pessoas indignas da nossa atenção.

Terceiro, Jesus ensina que não devemos perder as oportunidades que chegam para nós! 

Essas estratégias de Jesus aproximavam as pessoas dele (Lc 15.1). Praticidade e eficácia! Duas coisas altamente frequentes na trajetória de Cristo.

3. Jesus não era estático. Altamente ativo, o mestre de Nazaré não ficava apenas num lugar (Lc 4.43,44), mas percorria cidades e aldeias (Lc 9.6; 13.22).

Vejam os lugares que Jesus passou:

Jordão (4.1); Galiléia (4.14), Nazaré (4.16), Cafarnaum (4.31), deserto (4.42), Judéia (4.44), lago de Genesaré (5.1), monte (6.12; 21.37), casa de Levi (5.29-31), casa de Pedro (4.38), casa de Fariseu (7.36; 11.37; 14.1), casa de Zaqueu (19.5), casa de Marta (10.38), Samaria (17.11), Jericó (18.35, 19.1), Betfagé e Betânia (19.29), Jerusalém (19.28,41), Calvário (23.33), Betânia (24.50), Naim (7.11),  aldeia dos samaritanos (9.52), aldeia não identificada (9.56), aldeia de Emaús (24.13), povoado (10.38), cenáculo da páscoa (22.10), cidade não identificada (5.12), Genesaré (8.36), Betsaida (9.10). 

Alguns destes lugares, Jesus passou mais de uma vez, e sem falar que essa lista que citei nem é exaustiva. Se somarmos os detalhes geográficos de Lucas, com os de Mateus, Marcos e João, as informações serão maiores ainda.

Isto é, Jesus expandiu sua mensagem, entrando nas sinagogas, casas, ruas, etc. O mestre de Nazaré além de estratégico, também era visionário. 

4. Jesus era um homem de oração. É a característica do ministério de Jesus que Lucas dá mais destaque. É importante ressaltar que desde o começo do seu ministério, Jesus estava envolvido com a oração (Lc 3.21). 

Isto significa que até mesmo Jesus tinha seus momentos de devoção com Deus, de modo que pudesse recompor sua espiritualidade, equilíbrio e direção (Lc 5.16). É o que falta em muitos pregadores da atualidade. Querem ser ouvidos, mas não buscam em Deus, a graça que precisam para suportar os desafios e transmitir aquilo que Deus quer. Muitos pregadores itinerantes pregam mais do que oram, mas Jesus nos deu exemplo em tudo de que não basta se dedicar fisicamente, é preciso buscar a Deus (Lc 6.12). É Ele quem dá as estratégias! 

Em Lucas, Jesus nos ensina que: 

Primeiro, é na oração que a mente se revigora para liderar (Lc 9.18). 

Segundo, é na oração que coisas sobrenaturais acontecem (Lc 9.28,29).

Terceiro, a nossa vida de oração influência as pessoas que estão perto de nós (Lc 11.1-4).

Quarto, através da oração recebemos bençãos da parte de Deus (Lc 11.9-13).

Quinto, a oração deve ser uma constante na nossa vida (Lc 18.1).

Sexto, que a casa de Deus é lugar de oração (Lc 19.46).

Sétimo, que pela oração ficamos de pé (firme) na presença de Jesus (Lc 21.36).

Oitavo, a oração nos livra de entrarmos em muitas tentações (Lc 22.40).

Nono, pela oração nos rendemos aos pés de Deus (Lc 22.41) e à sua vontade (Lc 22.42).

Décimo, que a oração intensa é a melhor alternativa para quem está em agonia (Lc 22.44).

Por fim, a oração nos faz ficar de pé e pronto para enfrentarmos qualquer adversidade que vier (Lc 22.45). 

Tal característica certamente é um distintivo no ministério de Jesus, isto porque quem tem uma boa relação com Deus, certamente tem uma boa relação com o público que possui, seja este público, os da sua casa, da faculdade, da igreja ou qualquer outro.

5. Jesus tinha mensagem! Na época de Jesus, os ensinamentos sobre Deus geralmente, estavam confinados aos sacerdotes e ministros das sinagogas daquele tempo. Tais pessoas ora falavam da Palavra de Deus, ora falavam de seus próprios preceitos. As pessoas comuns não tinham acesso às Escrituras com tanta facilidade. 

Daí aparece um Mestre que leva a Palavra de Deus até às pessoas e que fala dela com autoridade (Lc 4.36, 37). Esse alguém era Jesus. As pessoas estavam famintas e só o bom pasto (que é a Palavra de Deus) podia saciá-las. Cristo falou sobre diversos assuntos, mas entre eles, um dos que mais se destacam no Evangelho de Lucas é a respeito do Reino de Deus (Lc 8.1). São inúmeras passagens que falam dele e que eu recomendo aos leitores deste artigo que leiam todo o evangelho para que possam entender com mais propriedade o que estou dizendo.

O tema da "Salvação pela fé" também é frequente neste evangelho (cf. 7.50; 8.12; 8.48,50; 17.19; 18.42). Estava constantemente na boca de Jesus e na sua mensagem.

Era uma mensagem inteiramente direcionada ao povo, despertando nelas curiosidade , comoção e noutras milagres e conversão. Sem falar que Jesus passava segurança no que dizia.

No nosso século, o que faltam em muitos pregadores é mensagem! Mensagem do céu, mensagem de Deus! Outros, tem mensagem, todavia transmitem-na com insegurança! Devemos fazer como Jesus, pregar com autoridade, crendo no que estamos pregando! Se nós não cremos no que está na Bíblia, como queremos que os outros acreditem em Deus, visto que ela é a única que testifica perfeitamente a respeito dEle?

III- O RESULTADO DO SEU MINISTÉRIO E ALGUMAS ESTRATÉGIAS USADAS POR ELE:

Graças ao esforço espiritual e físico de Jesus, multidões se aglomeravam para vê-lo, aponto de Lucas dizer que elas o apertavam (Lc 8.42) e se atropelavam (Lc 12.1). Numa destas ocasiões, a Bíblia registra que estavam reunidos cerca de 5.000 homens (Lc 9.14) fora mulheres e crianças (Mt 14.21) e noutra, mais 4.000 homens (Mc 8.9). Enquanto lia Lucas, eu contabilizei o contato pessoal e individual de Jesus com cerca de 155 pessoas, fora os 5.000 que já tivemos oportunidade de falar. Os estudiosos afirmam que a quantidade de pessoas que compunham as multidões que seguiam a Jesus, variavam e podiam chegar até 15.000! Eu me arrisco a dizer que desde o início de seu ministério até sua morte (cerca de 3 anos), Jesus foi visto por mais ou menos 20.000 pessoas!

Como Jesus conseguiu atrair multidões em tão pouco tempo?

Basicamente, Jesus atraia multidões de duas formas.

Primeiro, através de sua fama que se espalhava pelos lugares rapidamente (Lc 4.14, 37, 40; 5.15; 7.17; 8.39) por intermédio de algum ato que ele fazia. Geralmente, por causa das curas e milagres que ele efetuava (Lc 11.14).

Por exemplo, quando curava alguém... a pessoa que foi curada ou recebeu algum milagre da parte de Jesus, ficava tão maravilhada que anunciava aos habitantes das regiões próximas o que tinha acontecido (Lc 8.39). As pessoas que ouviam, eram impactadas com os relatos e procuravam ir até Jesus (Lc 8.40).

Se isso acontecendo com uma só pessoa já é glorioso, imagine com várias? O Evangelista Lucas relata que Jesus era muito atencioso com cada enfermo que lhe procurava impondo a mãos sobre cada um e curando a todos (cf. 4.40; 6.19). Ele era especialista em marcar as pessoas! 

Desta forma, sua fama se espalhava e as multidões se  reuniam para ir até ele.

Segundo, através dos seus produtores evangelísticos. Como assim produtores evangelísticos? Deixe-me explicar...

Aqui no Brasil, antes de um artista levar seu show ou qualquer outro evento para determinada cidade, algum produtor regional ou uma equipe interessada entra em contato com os empresários do artista para consolidar o evento. Feito isto, o produtor, por exemplo, se for um show, se encarrega de divulgar a vinda do artista, conseguir patrocínios, etc. 

Há dois mil anos, Jesus já utilizava esse método. Claro que não da mesma maneira,  nem com o mesmo objetivo, mas girando em torno de preparar o povo para sua chegada. 

O primeiro produtor de Jesus foi João Batista (Lc 3.15-18). Ele preparou o caminho para a chegada do Messias. Algum tempo depois,  o próprio Jesus utilizou-se disso para os mesmos fins. 

É preciso enfatizar que Jesus logo tratou de montar uma equipe, conhecida teologicamente como "colégio apostólico." São os 12 apóstolos separados e escolhidos pelo próprio Cristo. Serviam como cooperadores e auxiliavam o ministério de Jesus. Cristo os dotou de poder e os enviou para que também pregassem o reino de Deus e curassem os enfermos. A estes, Jesus também deu-lhes estratégias (veja Lc 9.1-5). "Então, saindo, percorriam todas as aldeias, anunciando o evangelho e efetuando curas por toda a parte." (Lc 9.6).

O resultado era que ao regressarem, muitas pessoas os seguiam de volta e Jesus as acolhia, pregava para elas e curava as que precisavam de cura (Lc 9.10,11).

Isso foi tão eficaz que em outra ocasião Jesus designou 70 discípulos para ir nas cidades e lugares que ele havia de ir. Estrategicamente, Jesus os enviou de dois em dois (Lc 10.1,2). A estes, Jesus também deu autoridade, poder e recomendações (Lc 10.3-12, 16).

No nome de Jesus, eles expulsavam os demônios e desfaziam as obras das trevas (Lc 10.17), de modo que as pessoas passavam a ouvir falar de Jesus e quando ele entrava nesta cidade, sua fama já estava consolidada e muitas pessoas vinham ouvi-lo.

Chamo os discípulos que antecediam a chegada de Cristo de produtores evangelísticos e eles eram responsáveis também por prover pousada para Cristo (Lc 9.52), preparar determinado lugar para uma celebração (Lc 22.8-10), ou em busca de qualquer outra coisa que Jesus precisasse (Lc 19.29). 

Interessante que Lucas os chama de "mensageiros" em 9.52. Neste versículo, mensageiros também foram enviados a Samaria, mas os samaritanos não o receberam. Aqui se evidencia o que eu afirmei lá em cima, isto é, que a rejeição continuou sendo um desafio para o ministério de Cristo. Contudo, Jesus não se deixava abater por tais coisas. Ele sabia aproveitar todas as alternativas e acredite, muitas surgiam. Sempre há uma alternativa, sempre há! Existem os que fecham a porta e o que abrem, bata na porta tanto de um como de outro e entre naquela que lhe for aberta.

Bem sabemos que não parou por aí, quando ressuscitou Jesus disse que "em seu nome se pregasse arrependimento para remissão dos pecados a todas as nações, começando de Jerusalém." (Lc 24.47). Estes são chamados por Cristo de "testemunhas" (Lc 24.48). Hoje, os apóstolos não estão mais vivos, mas nós que somos seguidores de Cristo, estamos! Nós somos os produtores de Jesus nesta geração e devemos levar o Evangelho a toda criatura, aprendendo em tudo com o mestre e honrando o seu nome. 

Voltando à nossa análise do contexto em que Jesus viveu, o Mestre de Nazaré agora tinha dezenas de trabalhadores, que ele ainda os considerava como poucos. Jesus disse: "A seara é grande, mas os trabalhadores são poucos." (Lc 10.2). Era alguém visionário e que nunca se conformava com aquilo que já tinha conquistado. A visão de Jesus era ampla e ele desejava alcançar muito mais pessoas.

Pois bem, com o público perto de si, Jesus agora podia desenvolver ainda mais seu ministério. Ele se relacionava com as multidões de modo muito pessoal, como já tivemos a oportunidade de vermos lá em cima, e anunciava-as a verdade, ora os repreendendo (Lc 11.29), ora os ensinando (Lc 14.25) e em algumas ocasiões até lhes alimentando (Lc 9.11-17). Os atos de Jesus causava-lhes admiração (Lc 11.14).

Embora não fosse muita coisa, o ministério de Jesus também contava com um patrocínio (Lc 8.1-3). Sim, podemos chamar de patrocínio por que havia um investimento no reino Deus. A diferença deste patrocínio, para os da atualidade, é que esse investimento não visava lucro financeiro, mas sim vidas para Deus.

É verdade que o ministério de Jesus tinha um custo, mas ele não  explorava ninguém, nem exigia luxo nos lugares que chegava. Por exemplo, Lucas registra que grande parte do transporte de Jesus era feito à pé, isto é, andando (Lc 8.1) e quando necessário, ele se utilizava dos barcos que estivessem à disposição (cf. Lc 5.3; 8.22, 37). Já para entrar em Jerusalém, ele o fez através de um jumentinho (Lc 19.30). Vejam que Jesus aproveitava os recursos que lhe eram acessíveis. 

Devido ao seu ministério itinerante, Jesus não tinha morada fixa (Lc 9.58), porém, onde chegava, procurava se hospedar em alguma casa, quando lhe era concedido (Lc 4.38; 10.38; 19.5). Isso evitava gastos com hospedaria, etc. Que estratégico não é mesmo?

Por fim, Jesus ganhou muitas vidas sem defraudar ninguém, por meio da verdade e da honestidade, sem muito dinheiro, porém com muito trabalho, dedicação e estratégia. Até mesmo os lugares que geralmente Jesus pregava, em estratégicos. 

Vou dar aqui dois exemplos:

Primeiro, a sinagoga. Lucas registra que Jesus pregou em várias sinagogas da Galiléia (4.15) e da Judéia (4.44). Ele pregou na sinagoga de Nazaré (4.16), Cafarnaum (4.33) e muitas outras que não são identificadas (6.6; 13.10). Em Jerusalém, ele usava o Templo para ensinar (19.47; 21.37).

Na época de Jesus, as sinagogas tinham um fluxo grande de pessoas. Jesus sabia que no sábado, muita gente estaria presente ali; logo, o que ele fazia? Ia para lá. Vejam que jogada sensacional! 

Segundo, geralmente (não todas as vezes), Jesus pregava em lugares espaçosos, como por exemplo os montes ou regiões planas. Tendo conhecimento do alcance da sua mensagem, Jesus não ficava confinado às ruas das cidades. Por vezes, a Bíblia registra que as multidões iam até ele, e ele estava em algum monte. Se refletirmos bem, montes são lugares mais tranquilos, onde o ar é mais puro e o ambiente é propício até mesmo para lhes transmitir seus ensinamentos. Me responda, é mais desgastante pregar para pessoas dentro dos centros da cidade onde se concentra as agitações ou fora deles? Fora deles não é mesmo? Quando não era no monte, era próximo a eles, num lugar plano (Lc 6.17), apto para caber grande quantidade de pessoas. Mais uma evidência de que Cristo não era irracional em suas atitudes. Ele pensava em tudo e tudo saía conforme Deus lhe abençoava.

Conclusão: Hoje vimos o quanto que Jesus era incrível! Era um pregador fora de série! Nem mesmo Sócrates, Aristóteles e Platão com todas as suas técnicas de pedagogia e oratória, viveram o que Jesus viveu. Com certeza foi, é e deve ser para nós um espelho de como impactar as pessoas com a mensagem de Deus. Ele próprio veio até nós e não apenas nos mostrou o modelo, mas executou ele, nos provando que é possível triunfar em meio às dificuldades. Antes de fazer essa análise do ministério de Jesus a partir do Evangelho de Lucas, eu mal conseguia imaginar como Paulo (o maior líder do cristianismo depois de Jesus), propagava o evangelho com tanta maestria. A única explicação para isto é Jesus! Jesus é o exemplo vivo disso. Sendo assim, não se intimide perante os desafios. Ore a Deus, se dedique-se, busque estratégias da parte dEle e contemple o reino de Deus crescendo graças a Ele é, através de você!

Que Deus continue nos abençoando!

13 de dezembro de 2017

"A CPAD publicou a obra de um autor calvinista, e agora?"



Por Everton Edvaldo.

A Casa Publicadora das Assembleias de Deus  (CPAD) publicou a obra " Os Tesouros de Davi", comentário do livro dos Salmos, escrito por C.H. Spurgeon, um autor calvinista, e agora?

Ei, calma! Isto não é o fim do mundo! Sim, não é! Alguns cristãos que há pouco, despertaram a respeito do tema envolvendo a mecânica da Salvação/ Arminianismo x Calvinismo, estão agitados porque a CPAD, uma editora cujo viés doutrinário está amplamente enraizado no Arminianismo-Wesleyano, publicou uma obra de um autor calvinista.

Todavia, será que os motivos que estão sendo apresentados, são sustentáveis à luz da realidade? Porque a CPAD não deveria publicar esta obra? O que estamos temendo? Pois bem, abordamos um pouco desse assunto no artigo de hoje.

Primeiramente, não é a primeira vez que a CPAD publica uma obra cujo autor é calvinista. Vários livros de autores calvinistas, cujo assuntos não abordam necessariamente, o campo doutrinário da Soteriologia, já foram publicados pela CPAD. Darei aqui alguns exemplos:

Pecadores nas Mãos de um Deus Irado e outros Sermões. Jonathan Edwards.

A Segunda vinda. John MacArthur Jr.

Ministério Pastoral. Alcançando a excelência no ministério cristão. John MacArthur Jr.

Segundo, não é a primeira vez que Spurgeon ganha espaço na CPAD.

Há alguns anos, a CPAD publicou a obra: O melhor de Spurgeon. 120 devocionais diários para alimentar seu espírito e refrescar sua alma. 

Sem falar que a tão renomada e reconhecida obra "Heróis da Fé" de Orlando Boyer, tem um capítulo inteiro falando de Spurgeon. Detalhe, essa obra também foi publicada pela CPAD e é bastante estimada por todos nós assembleianos.

Alguns assembleianos estão temendo, pois,  a CPAD publicou a obra de um calvinista, mas na verdade, tal temor não deveria existir entre nós. 

Primeiro, a obra não se trata de calvinismo. Spurgeon não viveu sua vida inteira pregando apenas calvinismo. A Bíblia está repleta de  outros assuntos que foram abordados pelos teólogos ao longo dos séculos, e que não falam de soteriologia Calvinista ou Arminiana de forma direta ou essencial em suas obras. Este é o caso dos "Tesouros  de Davi" lançado pela CPAD. A natureza do livro não é voltada para esta controvérsia.

Segundo, a obra vai muito além da questão: calvinismo x arminianismo. A importância de termos "Os Tesouros de Davi" traduzido de forma completa pela CPAD aqui no Brasil, significa uma grande vitória para a literatura cristã e teológica brasileira. Sem dúvida, é uma grande conquista!

No Brasil, tínhamos essa obra em língua Portuguesa de forma muito resumida pela editora Shedd. É o livro: "Esboços Bíblicos de Salmos" de C.H. Spurgeon, obra que traz apenas alguns sermões do príncipe dos Pregadores a respeito do livro dos Salmos. 

Terceiro, apesar de ser calvinista e de ter se envolvido em dezenas de controvérsias com arminianos e hiper-calvinistas durante sua vida, Spurgeon foi um homem de Deus e produziu muito material teológico valioso para nós cristãos.

Não é porque ele foi calvinista que devemos repudiar tudo quanto ele escreveu, mas devemos seguir o conselho do apóstolo Paulo: "Examinai tudo. Retende o bem." (1 Tessalonicenses 5.21).

"Os Tesouros de Davi" entra nesta categoria. Devemos ler com cautela, conforme os escritos de todos os homens, pois, qualquer livro que não esteja na Bíblia, está sujeito ao erro e é digno de uma leitura cuidadosa da nossa parte. Mas convém lembrar que: tal fato não se constitui um impedimento para a obra não ser publicada.

Sem falar que, antes de publicar tal obra, a CPAD trabalhou em cima de um objetivo:a edificação do público alvo e constatou que a obra cumpria esse objetivo, fato este que  fez com que o projeto de publicação fosse levado adiante.

Alguns assembleianos não gostaram da publicação feita pela casa, pois Spurgeon não faz parte da confessionalidade da CPAD. Que a CPAD é uma editora confessional, todos nós sabemos, mas se por confessionalidade, entende-se como sendo publicar apenas autores que sejam arminianos e pentecostais, tal pressuposto deve ser reavaliado pelas nossas mentes.  Publicar apenas livros de autores que sejam unânimes nas suas crenças com toda a confessionalidade assembleiana é algo que empobrece e limita as rédeas do conhecimento teológico.

Por exemplo, a publicação de livros escritos pelo Norman Geisler. Geisler acredita que "uma vez salvo, salvo para sempre", e inclusive ele se considera um calvinista moderado, embora sua teologia esteja mais próxima de um entendimento arminiano do que do calvinismo propriamente dito. A CPAD já publicou alguns livros do Geisler e certamente, se fôssemos seguir à risca a confessionalidade, Geisler não deveria ser publicado pela CPAD, haja vista que ele aqui e acolá foge da nossa confessionalidade.

Sendo assim, não existe um motivo verdadeiramente justo que nos faça crer que a CPAD não deveria publicar o "Os Tesouros de Davi" escrito por Spurgeon. Essa obra, agora publicada em língua portuguesa, certamente, será uma fonte de bençãos para nossas vidas. 

Spurgeon passou mais de 20 anos preparando "Os Tesouros de Davi", que é o maior comentário do livro de Salmos já compilado! Quando terminou essa obra, ele exclamou:

"Abençoados foram os dias que passei meditando, condoendo-me, esperando, crendo e escutando com Davi! Poderia eu esperar passar horas mais alegres deste lado do portal de ouro?" (The Theasury of David, vol 7. (Londres, 1890).

Caro leitor, não se deixe intimidar por certas críticas que circulam nas redes sociais. Vale apena adquirir esta obra recém lançada pela CPAD e só depois de lê-la, tirar suas próprias conclusões sobre o que estou dizendo. Se estiver ao seu alcance, compre! Todavia, se não tiver interesse, não fique tecendo comentários maldosos para outras pessoas. 

Eu discordo do calvinismo de Spurgeon, e de vários outros pontos que ele veio a defender enquanto vida, mas isso não me impede de lê-lo, nem de admirá-lo. Contudo, ficar tentando boicotar a obra por motivos frívolos não é uma atitude madura. 

Que o SENHOR continue trabalhando através da boa literatura cristã e que nós venhamos desfrutar de tais bençãos!

Que Deus nos ajude!