27 de novembro de 2017

Você foi salvo para que possa salvar! Por C.H. Spurgeon



Por C.H. Spurgeon

"Como homens em um salva-vida remamos em um mar bravio e nos apressamos em direção ao naufrágio ali adiante, onde homens estão perecendo. Se não conseguirmos trazer os restos do navio naufragado à terra, pelo menos, pelo poder de Deus, salvaremos os que estão perecendo, salvaremos vidas e conduziremos os remidos às praias da salvação. Nossa missão, como a de nosso Senhor, é reunir os escolhidos de Deus dentre os homens para que possam viver para a glória de Deus. Todo homem salvo deve ser, sob o comando de Deus, um salvador, e a igreja não está em seu estado certo até que tenha alcançado essa compreensão. A igreja eleita é salva para que possa salvar, purificada para que possa purificar, abençoada para que possa abençoar. O mundo inteiro é o campo, e todos os membros da igreja devem trabalhar nele para o grande Agricultor. Terras incultas serão recuperadas, as improdutivas serão rasgadas pelo arado, até que o lugar solitário comece a florir como a roseira. Não podemos ficar contentes em nos manter os estamos precisando invadir os territórios dos príncipe das trevas."

Trecho extraído do livro: SPURGEON, C.H. Preparado para o combate da fé, as armas do ministério: a igreja, a palavra e o Espírito Santo. São Paulo: Shedd Publicações, 2005. Págs.; 53,54.

23 de novembro de 2017

6 Verdades bíblicas sobre a forma como você fala com os outros




Por Everton Edvaldo

Leitura Bíblica: (2 Reis 1.1-15).

Introdução: Há quem diga que as palavras possuem um potencial incrível sobre as coisas. O modo como você fala diz muito sobre quem nós somos, principalmente nesta era moderna. Nunca se viu uma geração que tem tanto prazer em falar e ser ouvida do que essa que estamos vivendo. As pessoas falam sobre qualquer coisa, as vezes de qualquer jeito, sem pensar nas consequências que isso pode acarretar.

Hoje falaremos um pouco sobre esse aspecto da vida: o da comunicação. Vamos extrair algumas lições a partir de um texto bíblico, que refletem bastante na nossa atualidade. Medite neste texto e meu desejo é que através dele, várias pessoas sejam  abençoadas!

Pois bem, "falar", é uma característica que está no homem desde o Éden (Gn 2.23) e que a humanidade foi desenvolvendo ao longo dos anos. Entretanto, infelizmente, nem toda pessoa sabe se comunicar de forma sábia e prudente com o outro.

No passado, haviam homens conhecidos como mensageiros. Estes, eram responsáveis por levar uma mensagem de uma pessoa para outra. Eram intermediários entre duas pessoas ou mais, e em alguns casos, até mesmo de nações. (Cabe observar que os mensageiros do passado possuíam outras funções que não descreveremos aqui para não sairmos do foco).

Muitos mensageiros do passado serviam aos reis da época, e este, é o caso do texto bíblico que estudaremos hoje. A Bíblia diz que o rei Acazias adoeceu e enviou seus mensageiros para consultar um falso deus, (Baal- Zebube, divindade de Ecrom) sobre sua saúde.

Todavia, o Anjo do SENHOR, usou o profeta Elias para repreender essa atitude de Acazias e lhe anunciar uma sentença. Elias comunicou essa sentença aos mensageiros do rei que logo trataram de informar ao monarqua, o que o profeta disse.

Então, o rei mandou um capitão com 50 soldados para que trouxessem Elias que estava assentado no cimo do monte. Em nome do rei, o capitão ordenou que ele descesse, porém, por conta de Elias, desceu fogo do céu e consumiu aqueles 51 homens.

O rei mandou um segundo grupo de soldados, que também foram consumidos pelo fogo.

Com insistência, o rei enviou um terceiro grupo de soldados que foi poupado e sobreviveu.

Pois bem, aqui cabe-nos fazer a seguinte pergunta:

Porque Elias não foi com o primeiro grupo e sim com terceiro?  Porque o terceiro grupo também não foi consumido como os outros? Por que a forma como o seu capitão falou com o profeta foi diferente.

Quais foram as formas que cada capitão falou com o profeta? O que aconteceu com eles? De que maneira isso fala conosco? Iremos estudar essa passagem detalhadamente, e a partir disso, vamos extrair 6 verdades sobre sobre a forma como você fala com os outros. 

Meu desejo é que de alguma forma você possa melhorar nos seus relacionamentos com o próximo de maneira que isso traga benefícios para sua vida. Boa leitura!

1. A forma como você fala com os outros faz toda a diferença.

O primeiro capitão chegou para Elias e disse: "Homem de Deus, o rei diz: Desce." (ARA, ACF, ARC); "Homem de Deus, o rei mandou você descer daí" (NTLH); "Homem de Deus, o rei ordena que tu desças." (NVI). Este foi consumido pelo fogo juntamente com seus homens.

O segundo capitão foi ainda mais enfático:

"Homem de Deus, assim diz o rei: Desce depressa." (ARA, ACF, ARC); "Homem de Deus, o rei ordenou que você desça daí agora mesmo." (NTLH); "Homem de Deus, o rei ordena que tu desças imediatamente." (NVI). Este também foi consumido pelo fogo juntamente com seus homens.

Já o terceiro capitão disse:

"Homem de Deus, seja, peço-te, preciosa aos teus olhos a minha vida e a vida destes cinquenta, teus servos..." (ARA, ACF, ARC); "Homem de Deus, por favor, não acabe com a minha vida nem com a vida destes homens." (NTLH); "Homem de Deus, tem consideração por minha vida e pela vida destes cinquenta soldados, teus servos." (NVI). Este viveu e conseguiu levar Elias até o rei.

A primeira coisa que aprendemos aqui é que a forma como você fala com os outros faz toda a diferença.

Os dois primeiros capitães disseram quase a mesma coisa, porém com um tom de superioridade e autoridade. Já o terceiro, conseguiu sair vivo, poupar a vida de seus homens e levar Elias até o rei.

Muitas vezes, pensamos que as palavras que usamos não causam impacto na nossa vida. Até mesmo nas coisas mais simples, as palavras que usamos e também o modo como nos pronunciamos com o outro, fará peso na "balança da vida." De um lado da balança estão as coisas que podem nos prejudicar, ou ir contra nós; do outro, a oportunidade de fazer as coisas girarem ao nosso favor de modo que não nos prejudiquem.

Tais coisas afetam todas as áreas da nossa vida: física, espiritual, social, familiar, etc. Faz toda a diferença se na nossa casa temos pais que se comunicam com os filhos de forma sábia ou não. Por exemplo, os filhos sabem quando seus pais lhes dizem coisas para impor medo, sem nenhum diálogo. Infelizmente, isso pode trazer traumas para criança que não encontrará nos pais a oportunidade para se abrir e conversar com eles.

"Falar" é necessário para chegarmos a algum lugar aqui nesta terra. Porém, falar errado, ainda que no tempo certo, acarreta uma série de consequências. Somos seres tão inteligentes, porém tantas vezes, fracassamos no modo como devemos se comunicar com o outro. Seja no relacionamento dos pais com os filhos, ou do esposo com sua esposa. Seja entre o chefe de trabalho com seu funcionário, ou entre dois vizinhos, a forma como se pronunciamos fará toda a diferença.

No caso da passagem que estamos estudando, foi a vida do capitão e dos 50 homens que sofreu o juízo de Deus e morreram, entretanto, há  casos em que não é a nossa vida que corre risco, mas sim a do outro. Podemos melhorar o dia de alguém com uma palavra, ou podemos piorar o que já não estava bem nela. Tudo com uma palavra.

No caso dos capitães, bastou apenas uma frase. Pouco mais de 20 letras, em nossa Língua Portuguesa, para que suas vidas fossem consumidas pelo fogo.

Onde este capitão errou? Primeiro diremos onde ele acertou! Primeiro, acertou quando foi obediente ao sei rei e segundo, acertou quando foi verdadeiro dizendo: "Homem de Deus..." Já seu erro, foi ter sido insensível à este mesmo homem que ele chamara de homem de Deus, se comunicando com o profeta com autoritarismo, imposição e quem sabe, arrogância. Perceba que o capitão não deixou os 50 soldados próximo ao monte para ir dialogar com Elias (o que seria mais louvável da parte dele), mas subiu ao profeta com todos os seus soldados (v 9), certamente para impressionar ou intimidar o profeta. Ao que parece, a intenção do capitão ou mesmo do rei, não era trazer Elias na conversa, mas à força.

Trazer Elias era sua tarefa, isto é, seu objetivo, mas o modo como ele se aproximou do profeta, pôs tudo à perder. Acabou que atraindo o juízo de Deus!

Veja, há certas ocasiões que acertar 50% da trajetória não fará com que alcancemos nossos objetivos. E pior: se falharmos com as palavras, de alguma maneira, elas nos trarão retorno. Esse retorno pode ser negativo e até mesmo grave. Por isso, devemos ter cuidado.

O segundo capitão também teve seus acertos, mas errou em cometer os erros do primeiro. Errou quando teve oportunidade de fazer diferente e não fez, muito pelo contrário, ainda foi além do que fez seu companheiro. Quando disse: "... Assim diz o rei: Desce depressa!" (v. 11), este segundo capitão jogou tudo por água abaixo.

Às vezes, cometemos um erro duplo. Erramos em cometer os mesmos erros dos outros, somando eles com os nossos próprios erros. Erramos quando vemos que o que fulano fez ou disse, deu errado, e achamos que conosco vai dar certo. Parafraseando a passagem, erramos quando achamos que com a "nossa tropa", com as nossas palavras e modo, conseguiremos o que precisamos. Erramos quando colocamos mais combustível no fogo.

Para finalizar esse ponto: não se chega de qualquer jeito à um profeta, principalmente, quando este profeta se chama Elias, um homem comum, porém de muita intimidade com Deus. Nessas horas e circunstâncias, o que a gente diz para o outro no presente faz toda a diferença, seja positiva ou negativa, seja no presente ou no futuro. Por isso devemos estar atentos!

2. A forma como você fala com os outros diz muito sobre quem é você.

Palavras podem ser responsáveis não só pelo que acontece, como também podem refletir aquilo que somos. A boca fala do que o coração está cheio (Mt 12.34). Isto significa que falamos de nós mesmos quando dizemos alguma coisa para outra pessoa. Não foi diferente no caso destes capitães que foram até Elias.

O termo hebraico usado para capitão é "sar" que significa um dirigente, chefe, capitão, general, comandante, oficial, capitão, príncipe. No sentido de que essa pessoa possui autoridade imediata como líder. Naquela ocasião, o capitão era o próprio representante do rei nas proximidades do profeta Elias.

Isso certamente dá mais vigor às palavras de qualquer líder. Vamos parafrasear mais ou menos a situação dos dois primeiros capitães.

"Devo falar dessa maneira, estou cumprindo as ordens do rei, não posso relaxar, mas falar no nível que possuo. Eu sou um capitão, meus soldados estão aqui, posso usá-los a qualquer momento."

O capitão tinha naquela ocasião, a autoridade, o poder, a força, e as palavras, mas faltou-lhes uma coisa: a sensibilidade para com o homem de Deus. A forma como ele falou, revelou sua insensibilidade. Estava ali apenas para cumprir as ordens do seu monarca. Nada mais que isso! Que pena! A forma como ele falou, revelou que ele tinha apenas essa "carta na manga",  acompanhado pela carcaça do poder e do prestígio. Só a roupagem de um líder pairava naquele momento. Sua posição ficou intocável o tempo todo e por conta disso, não escapou do juízo divino. Foi isso que aconteceu não só com o primeiro, mas também com o segundo.

Ambos estavam cegos, não enxergaram que quem estava no monte era Elias, que tinha ao seu lado, o Anjo do Senhor!

Elias está no monte, aparentemente desprotegido e só. Mas só aparentemente... Elias responde aos dois primeiros capitães, cada um a seu tempo, que se ele era homem de Deus, haveria de descer fogo do céu e consumi-los. De fato: Elias era um homem de Deus, e a forma como ele falou, testificou quem ele era. Elias era um homem de Deus, e se ele era um homem de Deus, suas palavras deveriam refletir isso!

A forma como o terceiro capitão falou com Elias, também revelou quem ele era: um homem! Não qualquer homem! Um homem humilde, temente, sensível; ou nas palavras dele, "servo de Elias." O terceiro capitão era um homem de visão, sobretudo, sincero. Os outros falaram "homem de Deus" da boca para fora, mas este reconheceu verdadeiramente que Elias era um homem de Deus e provou isso não só com palavras mas também com atitudes.

O terceiro capitão nada mandou, nem ordenou nem impôs, apenas pediu misericórdia para si e para seus companheiros. Isto revela sua preocupação com seus soldados. O terceiro capitão verdadeiramente tinha um coração de líder. Um líder que ainda desejava que seus companheiros vissem seus filhos e esposa no fim do dia. Ele podia ter pedido misericórdia só para si, mas não fez isso (v. 14).

O terceiro capitão estava no mesmo nível dos dois capitães anteriores, mas isso só do lado de fora. Por dentro, tinha um coração de servo. Rebaixou-se perante o profeta! A forma como ele falou, revelou muito quem era que estava por trás daquela "farda."

Quer saber quem é alguém verdadeiramente? Observe a forma como ele fala com o outro. Existem pessoas que estudam para identificar quando há ou não verdade nas palavras de uma pessoa, e isso tem sido tão importante na nossa sociedade que até tem sido usado para perícias criminais.

Todos nós temos uma identidade, e passamos ela quando falamos. O modo como nos comunicamos com o outro é o cartão postal que as pessoas terão de nós. Há um ditado popular que alega: "A primeira impressão é a que fica." Infelizmente, a primeira impressão pode se tornar a última. Foi justamente isso que aconteceu com estes dois primeiros capitães e devemos fazer de tudo para que nas nossas vidas, não aconteça a mesma coisa.

3. A forma como você fala com os outros pode colocar sua vida em risco e também a dos outros que estão próximos de você.

A Bíblia está repleta de exemplos de personagens que colocaram sua vida em risco por causa da forma como falaram algo para outra pessoa. Algumas, até mesmo perderam a vida.

Isto é muito sério! No caso da passagem que estamos estudando, usar a força era desnecessária e dizer uma frase de forma errada, foi fatal.

É verdade que quando se coloca em risco, ainda existe esperança, todavia se vier a morte, só Deus pode intervir! Às vezes, essa morte é espiritual e contamina.

Não ande por terrenos perigosos se você tem a oportunidade de evitá-los! Não coloque em risco sua família, seus amigos, sua igreja. Existem pessoas que tratam sua família como recurso para usar contra o outro. Os dois primeiros capitães não se utilizaram de sua família, mas sim de seus homens de confiança. Homens que eram companheiros, amigos, pessoas que certamente tinham as suas famílias. Foi uma atitude tola! Colocou em risco sua tropa...

Também aprendemos algumas coisas nesta passagem, como por exemplo: existem coisas que não se resolvem pela força mas sim pelas forma como você fala. Como disse acima: a forma como você fala com os outros fará toda a diferença!

Os lares estão cheios de esposos que usam a força para resolver os problemas dentro de casa quando na verdade, uma comunicação prudente já bastava. Porém não para por aí, o mundo está cheio de pessoas que não dominam a arte da comunicação e preferem usar uma arma para impor sua vontade em tudo. O que poderia ser resolvido com a comunicação, acaba sendo tratado como um grande problema.

Alguém pode dizer: mas o que o capitão disse com Elias foi algo tão simples, afinal, ele estava apenas reproduzindo o mandato do rei. Não precisa de muita coisa para que grandes problemas surjam na nossa vida em razão de termos se expressado verbalmente de forma errada.

Conforme já tivemos a oportunidade de ver, as poucas palavras do capitão revelou quem ele era, e está claro de que ele próprio estava tratando a situação como se fosse um grande desafio. Por que se aproximar de Elias com 50 homens? Qual a necessidade disso? Ou seja, o capitão tornou todo o terreno propício e favorável para si, e quando ia dar o "xeque-mate", fracassou. A forma como ele falou, descortinou todo o seu exército, deixando-os vulneráveis.

Assim, entendemos que poucas palavras, ainda mais expressadas de forma errada, na verdade pode revelar grandes consequências para nossa vida e na daqueles que estão conosco!

Não adianta preparar todo o terreno e fracassar na comunicação. Ou melhor, vamos falar numa linguagem mais moderna: Não adianta ter posição social, força e autoridade. Bons líderes costumam falhar, não porquê não têm recursos, mas sim porquê estão falando de forma errada.

Grandes igrejas estão morrendo, templos suntuosos, repletos de obreiros preparados e cheios de recurso. Qual motivo de seu fracasso? Líderes que falham na comunicação. Estão comunicando a Palavra de Deus de forma errada. Essa é a única, se não a principal razão, haja vista que a boa Palavra de Deus quando é plantada, germina, cresce e dá frutos. Tais líderes estão colocando a vida de suas ovelhas em risco, infelizmente.

Os capitães apostaram tudo que tinha. Ei, vai com calma... Na hora de resolver algum problema não mostre todos os seus recursos. Poupe-os... Não coloque as melhores cartas na mesa quando não se precisa. Fazer isso numa ocasião desnecessária é desgastante, cansativo e perigoso.

Abaixe um pouco a visão e se aos teus olhos, o que você precisa é visto com grande dificuldade, experimente enxergar a situação com simplicidade e humildade, e assim, poderá conquistar seus objetivos.

4. A forma como você fala com os outros pode preservar sua vida e também a dos que estão próximos de você.

Sim, é verdade. A Bíblia fala que o terceiro capitão pôs-se de joelhos diante de Elias e disse: "Homem de Deus, peço-te, preciosa aos teus olhos a minha vida e a vida destes cinquenta, teus servos." (v. 13).

Veja o que ele fez:

a) colocou-se de joelhos perante Elias.

b) suplicou-lhe, (hb. Hanan que significa curvar-se para com alguém inferior, implorar, falar suavemente. Strong diz: "Na literatura da sabedoria, este verbo é usado principalmente nas relações humanas, para indicar atos de benevolência para com alguém necessitado." (CHAVE, p. 1646).

c) pediu-lhe para viver.

"Então, o Anjo do Senhor disse a Elias: Desce com este, não temas. Levantou-se e desceu com ele ao rei." (v. 15).

Perceba que diferença!

Primeiramente, graças à benevolência de Deus, este homem viveu, todavia não devemos descartar a idea de que este capitão era diferente do outros.

Ele não falou com o profeta de qualquer jeito, mas desceu o degrau do cargo que ele tinha naquele momento. Se despiu e falou com Elias como se fosse seu servo.

Este capitão verdadeiramente reconhecia que Elias era um homem de Deus. Por isso, soube enxergar que não deveria cometer os mesmos erros dos outros. Ele foi inteligente!

Veja como é importante a forma como falamos com os outros. Podemos evitar graves consequências usando as palavras adequadas. 

Outra coisa, observe bem, o capitão estava num lugar que não fazia parte da sua rotina, treinamento, etc. Porque se aproximaria de um homem de Deus, como se fosse "dono daquele pedaço?"

Pior que errar na forma como se fala com os outro, é errar na forma como se fala com o outro em um ambiente em que este tem domínio e você não. Se não entendeu, leia de novo.

Existem pessoas que se acham no direito de chegar em qualquer lugar e dizer o que quiser só porque têm posição social. Que engano! 

Está num lugar onde uma pessoa tem mais domínio sobre ele do que você? Olhe bem como vai falar com ela. Medalhas, honras e soldados não resolvem muita coisa quando se está diante de um profeta como Elias.

Me parece que este terceiro capitão enxergou essas coisas e com isso preservou sua vida e a dos seus soldados. Que percepção das coisas! Captou todo o cenário que estava ao seu redor, filtrou tudo e deixou fluir em formato de linguagem piedosa.

Uma boa conversa, pode salvar um relacionamento, um casamento. Pode tirar um filho dos maus caminhos. Quem afronta com a língua traz sobre si grande mal, mas quem sabe usá-la com sabedoria atrai a benção do SENHOR!

Palavras ditas de forma errada, podem arruinar tudo, mas as palavras que são ditas de forma sábia, podem evitar uma catástrofe (Pv. 11.14).

O terceiro capitão ofuscou-se e viveu. E no fim do dia, certamente viu sua família e filhos. Nunca mais esse homem seria o mesmo. Viu diante de sua face um homem de Deus e pôde escapar da morte que certamente lhe aguardava se ele tivesse feito as mesmas coisas que os dois primeiros capitães.

Use as palavras de forma sábia. Saiba falar com as pessoas. Você pode livrar a vida delas de vários problemas, ainda que por conta deste ato, não te tornes digno de uma pessoa louvável, pois todo mérito deve ser direcionado a Deus.

Desde as coisas simples, às mais complexas. Um simples "Eu te amo" dito para alguém que está do nosso lado, pode mudar o dia ruim dela para melhor. Entretanto, a ausência desse "Eu te amo" no dia-a-dia dela, pode matá-la silenciosamente (Pv 12.25).

O teu lema é: Se você pode fazer o bem, faça! Se você pode evitar o mal, evite! Se não pode melhoras as coisas, também não piore! Suas palavras devem ser ditas de forma inteligente e para isso, você não precisa mentir, enfeitar as palavras ou algo parecido. Só basta ser sincero!

5. A forma como você fala com os outros revela quem tem poder de verdade.

O contraste entre as expressões: "... O rei ordena: Desce/ Desce depressa."  ditas pelos capitães e "Se eu sou um homem de Deus, desça foto do céu e te consuma a ti e a teus cinquenta.", revela quem tem poder de verdade.

Vale lembrar que quem tem mais poder, obtém a vitória. Em certo sentido, os capitães tinham poder.

Veja, de um lado temos: um capitão, uma ordem, cinquenta homens. Do outro, só temos Elias, vestido de pêlos, com lombos cingidos de um cinto de couro (2 Reis 1.8).

Em quem você apostaria se tivesse uma mente natural e não soubesse desta narrativa? Certamente nos capitães. Eles tinham a força, e geralmente quem tem a força, consegue o que quer. Isto é segundo o prisma natural, pois quem disse que no mundo espiritual as coisas funcionam da mesma maneira? Observe que falei "geralmente". Geralmente, não quer dizer sempre... Ou seja, nem sempre quem tem a força, consegue o que quer.

Olhando de cima pra baixo, Elias tem mais poder! Poder outorgado por Deus. Esse poder não era propriamente dEle, mas de Deus. Elias tem o Anjo do Senhor ao lado. O Anjo do SENHOR é uma das figuras mais emblemáticas e poderosas da Bíblia. É visto como sendo a personificação angelical do próprio Deus! Esse mesmo anjo do SENHOR matou 185.000 homens em 2 Reis 19.35. O que seria 50 homens para ele? Todavia, observe bem a passagem que estamos estudando. Nem precisou da intervenção direta do Anjo do SENHOR. A palavra de Elias foi o instrumento pelo qual o juízo divino desceu.

A forma como você fala com os outros revela quem tem poder de verdade! Por isso, não meça o "poder" de alguém pela aparência dela. Muito menos deixe que a forma como você fala, coloque tudo à perder. Nunca subestime as coisas simples e desprezíveis.

Lembre-se: "O meu poder se aperfeiçoa na fraqueza." (2 Co 12.9). Elias é fraco, mas Deus está com Ele. Conclusão: Elias é fraco, mas Deus é Todo-Poderoso. Na verdade, quem não estiver do lado de Deus, está vulnerável e mais frágil ainda. Devemos lutar para que as nossas palavras não atraiam a ira de Deus, muito menos revelem que não estamos do lado de dEle. Se a forma como falamos com os outros, revelam que não estamos do lado de Deus, alguma coisa vai dar errado, então não insista!

Outra coisa, os capitães e seus homens também são fracos. O rei também é fraco. Detalhe: são muito mais fracos do que Elias, do ponto de vista espiritual. São eles que precisam de misericórdia. É o seu rei que está em rebelião contra Deus. 

Os dois primeiros capitães não perceberam isso, mas o terceiro sim. Foi isso que mudou suas palavras e comportamento diante do profeta Elias. Sua humildade foi sincera e acabou sendo devolvida em forma de misericórdia divina.

6. A forma como você fala com os outros dirá muito sobre se você alcançará ou não teus objetivos e conquistas.

Todos os três capitães tinham um único objetivo: trazer o profeta Elias à presença do rei. Mas somente ao terceiro, foi que o anjo do Senhor disse: "Desce com este; não tenhas medo." (v. 15).

Os dois primeiros fracassaram, mas o terceiro conseguiu! O terceiro capitão continuou com vida, preservou a de seus soldados, cumpriu com seu objetivo e manteve sua posição de capitão.

Todos temos objetivos e conquistas para alcançarmos. E parece até que é insignificante, mas a forma como falamos dirá muito sobre nossas conquistas e fracassos. Palavras ditas de forma errada podem frustar nossos projetos.

Às vezes, o ser humano se perde pela língua. De Gênesis à Apocalipse , a Bíblia fala a respeito de como a língua tem impacto na vida das pessoas (ex: Tg 3.1-10).

Por isso, é importante estarmos atentos quanto à isso. Fazer planos e lutar para alcançar nossos objetivos e anseios não adiantará de nada se você não souber lidar com ele. Assim como a tragédia já é certa para quem trafega numa avenida de olhos vendados, também já é certo que o fracasso virá sobre aqueles que não têm uma forma prudente de se expressar perante as pessoas.

Conclusão: Na passagem que estudamos hoje, os detalhes nos impressiona pela quantidade de lições que nos traz. Há quem diga que devemos pensar duas vezes antes de dizer uma bobagem, mas eu não partilho desse entendimento. Nem sequer pense em falar bobagens! Que o terceiro capitão seja exemplo para nós! Que possamos usar seu exemplo de humildade para crescermos na benção de Deus. É o SENHOR quem "dá graça aos humildes." (Pv 3.34). Temos muito o que melhorar na forma como nos relacionamos verbalmente com os outros. Se colocarmos em prática as orientações das Escrituras quanto a esse assunto, em certos casos, evitaremos alguns problemas e em outros casos, podemos até resolver os problemas que já existem. Lembre-se: "A resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira." (Pv 15.1). Se você quiser uma pista para estudar mais à fundo sobre esse assunto na Bíblia, comece pelo livro de Provérbios. Fora os versículos que já foram citados, gostaria de deixar mais alguns outros: Pv 15.2,23; 18.13,21; 25.11. Pois bem, espero que essa palavra possa entrar no seu coração e que venha à sua mente os princípios que aqui foram ditos, nos momentos que você precise!

Que Deus te abençoe!

6 de novembro de 2017

Jovens de Visão- Palestras sobre Juventude e Pentecostalismo para baixar.




Baixe gratuitamente em PDF a série de palestras que ministrei no Congresso de Jovens no Estado do Espírito Santo que teve como tema: "Jovem de Visão."

Sumário:

1° Introdução ao Pentecostalismo- Conceito, História e como a Juventude Cristã se enquadra nesse assunto.

2° O que não é Pentecostalismo- Desconstruindo Mitos e algumas respostas a questões difíceis.

3° Cessacionismo X Continuísmo- Qual o impacto desse assunto para a igreja moderna.

4° Vivendo o Pentecostalismo das Escrituras- A geração que não se intimida em  propagar o que crê!

Clique no link abaixo e compartilhe com seus amigos!

https://docs.google.com/uc?export=download&id=1C4a8vIAFNpNpceoHIO_5YwdWlvyxKy_3